21 de abril, Dia de Tiradentes

http://api.ning.com/files/oB1o73mlXdquMf7KwuxPVy7SFualSWm-TurdL4jZuRsUSZOaNP6BqRSbcEDoJdoT9MhCfFMke2BtcuCGVivLzBAVh7Pgv5S0/tiradentesAlferesTiradentesleodeWashingtonRodriguesMuseudeHistriaNaturalRiodeJaneiro.jpg


TIRADENTES: O Primeiro Grande Mártir da Independência do Brasil

Joaquim José da Silva Xavier, passou a ser conhecido como Tiradentes, pela sua habilidade com que arrancava e colocava novos dentes feitos por ele mesmo, com grande arte.

Nasceu em Minas Gerais, na Fazenda do Pombal, entre São José ( hoje Tiradentes) e São João del Rei, em 1746, ficando órfão aos 11 anos de idade.

Foi mascate, pesquisou minerais, foi prático-dentista. Adquirindo conhecimentos que seu irmão, Padre Domingos o instruiu, Joaquim seguiu a carreira militar. Sobre sua vida militar, sabe-se que pertenceu ao Regimento de Dragões de Minas Gerais. Ficou no posto de alferes, comandando uma patrulha de ronda do mato, prendendo ladrões e assassinos.

Em 1789 o Brasil-Colônia começava a apresentar algum progresso material. A população crescia, os meios de comunicação eram mais fáceis a exportação de mercadorias para a metrópole aumentava cada vez mais. Os colonos iam tendo um sentimento de autonomia cada vez maior, achando que já era tempo de o nosso país fazer a sua independência do domínio português

Houve então em Vila Rica, atual cidade de Ouro Preto, no Estado de Minas Gerais, uma conspiração com o fim de libertar o Brasil do jugo português e proclamar a República. Uma das causas mais importantes do movimento de Vila Rica foi a independência dos Estados Unidos, que se libertara do domínio da Inglaterra em 1776, e também o entusiasmo dos filhos brasileiros que estudaram na Europa, de lá voltando com ideias de liberdade.

Ainda nessa ocasião não era boa a situação econômica da Capitania de Minas, pois as Minas já não produziam muito ouro e a cobrança dos impostos ( feita por Portugal) era cada vez mais alta.

O governador de Minas Gerais, Visconde de Barbacena, resolveu lançar a derrama, nome que se dava à cobrança dos impostos. Por isso, os conspiradores combinaram que a revolução deveria irromper no dia em que fossem cobrados esses impostos. Desse modo, o descontentamento do povo, provocado pela derrama, tornaria vitorioso o movimento.

A conjuração começou a ser preparada. Militares, escritores de renome, poetas famosos, magistrados e sacerdotes tomaram parte nos planos de rebelião. Os conspiradores pretendiam proclamar uma república, com a abolição imediata da escravatura, procedendo à construção de uma universidade, ao desenvolvimento da educação para o povo, além de outras reformas sociais de interesse para a coletividade.

Uma das primeiras figuras da Inconfidência foi Tiradentes. O movimento revolucionário ficou apenas em teoria, pois não chegou a se realizar. Em março de 1789, o coronel Joaquim Silvério dos Reis, que se fingia amigo e companheiro, traiu-os, denunciando o movimento ao governador.

Tiradentes achava-se , nessa ocasião no Rio de Janeiro. Percebendo que estava sendo vigiado, procurou esconder-se numa casa da rua dos Latoeiros, atualmente Gonçalves Dias, sendo ali preso.

Negando a princípio sua participação, Tiradentes foi o único a, posteriormente, assumir toda a responsabilidade pela "inconfidência", inocentando seus companheiros.

A devassa promoveu a acusação de 34 pessoas, presos, todos os inconfidentes aguardaram durante três anos pela finalização do processo, que tiveram suas sentenças definidas em 19 de abril de 1792, com onze dos acusados condenados a morte e os outros ao degredo.

Condenados a morte: Tiradentes, Francisco de Paula Freire de Andrade, José Álvares Maciel, Luís Vaz de Toledo Piza, Alvarenga Peixoto, Salvador do Amaral Gurgel, Domingos Barbosa, Francisco Oliveira Lopes, José Resende da Costa (pai), José Resende da Costa (filho) e Domingos de Abreu Vieira. Algumas horas depois, por carta de clemência de D. Maria I, todas as sentenças foram alteradas para degredo, à exceção apenas para Tiradentes, o único condenado à morte por enforcamento.

http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/novembro2006/fotosju345-online/ju345pg06a.jpg

E assim, numa manhã de sábado, 21 de abril de 1792, Tiradentes percorreu em procissão as ruas do centro da cidade do Rio de Janeiro, no trajeto entre a cadeia pública e onde fora armado o patíbulo. O governo geral tratou de transformar aquela numa demonstração de força da coroa portuguesa, fazendo verdadeira encenação. A leitura da sentença estendeu-se por dezoito horas, após a qual houve discursos de aclamação à rainha, e o cortejo munido de verdadeira fanfarra e composta por toda a tropa local, sendo a sentença executada publicamente no Campo da Lampadosa.

Após a execução, com seu sangue se lavrou a certidão de que estava cumprida a sentença, tendo sido declarados infames a sua memória e os seus descendentes.



















O corpo foi levado em uma carreta do Exército para a Casa do Trem (hoje parte do Museu Histórico Nacional), onde foi esquartejado. O tronco do corpo foi entregue à Santa Casa de Misericórdia, sendo enterrado como indigente. A cabeça e os quatro pedaços do corpo foram salgados, para não apodrecerem rapidamente, e acondicionados em sacos de couro e enviados para Minas Gerais, sendo pregados em pontos do Caminho Novo onde Tiradentes pregou suas ideias revolucionárias. A cabeça foi exposta em Vila Rica (atual Ouro Preto), no alto de um poste defronte à sede do governo.

Embora tenha sido derrotado, Joaquim José da Silva Xavier converteu-se em um mártir, plantando a semente do processo de independência do Brasil. Mas sua luta só teve reconhecimento muitos anos depois de sua morte.

Somente no período republicano, é que o dia 21 de abril se tornou feriado nacional, e pela lei 4.867, de 9 de dezembro de 1965, Tiradentes foi proclamado patrono cívico da Nação Brasileira.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante!

Muito obrigada e volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...